domingo, 30 abril, 2017
Home » Notícias » Brasil » TRF4 rejeita processo de Lula contra Sergio Moro por abuso de autoridade

TRF4 rejeita processo de Lula contra Sergio Moro por abuso de autoridade

O Tribunal Regional Federal (TRF) da 4ª Região, em Porto Alegre, rejeitou nesta quinta-feira (9) a ação penal movida pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e sua família contra o juiz federal Sergio Moro, responsável pelos processos relativos à Operação Lava-Jato em primeira instância, por abuso de autoridade.

A ação foi ajuizada na corte por ser a segunda instância da Justiça Federal do Sul do país – o que abrange Curitiba, onde tramitam os processos relativos à operação da Polícia Federal –, mas não tem relação com a Lava-Jato. O processo iniciou em novembro do ano passado.

No documento, os advogados alegaram que o ex-presidente foi vítima de abuso de autoridade por parte do magistrado durante a 24ª fase da Operação Lava Jato, e citam a condução coercitiva de Lula para depor em março do ano passado, além dos mandados de busca e apreensão de bens do político e as interceptações de conversas telefônicas, entre elas um diálogo com Dilma, divulgada por Moro.

Decisão foi por unanimidade no TRF4 (Foto: TRF4/Divulgação)Decisão foi por unanimidade no TRF4, em Porto
Alegre (Foto: TRF4/Divulgação)

Para o advogado Cristiano Zanin Martins, a condução coercitiva só poderia ter sido tomada caso Lula tivesse se negado a comparecer para depor, o que, segundo ele, não ocorreu. Zanin classificou o ato judicial como “sem fundamento legal, com motivações políticas, ao arrepio da lei, promovendo um espetáculo midiático que tinha por objetivo humilhar o ex-presidente”.

Sobre os grampos telefônicos das conversas entre Lula e Dilma, Zanin afirmou que Moro teria invadido a privacidade do ex-presidente, promovendo “uma devassa em sua vida pessoal”.

Na ação penal, a defesa de Lula pedia uma multa a Moro de até R$ 5 mil, perda do cargo e inabilitação do exercício de função pública por até três anos e detenção por até seis meses.

A defesa do juiz federal foi feita pela esposa dele, Rosângela Wolff Moro. Ela classificou a queixa-crime como uma tentativa de intimidar o Poder Judiciário e lembrou uma das falas de Lula captada em interceptação na qual o ex-presidente afirmava que os juízes “tem que ter medo”.

A decisão, por unanimidade, é da 4ª Seção do TRF4, formada pelos desembargadores das 7ª e 8ª Turmas, especializadas em Direito Criminal, competente para julgar queixas contra juízes federais. Para o desembargador Sebastião Ogê Muniz, relator da ação penal, acusações semelhantes contra Moro já foram levadas ao Ministério Público Federal (MPF), e foram rejeitadas.

Segundo ele, para que um novo processo fosse aberto nesse sentido teriam que existir novas provas, que não foram apresentadas. Ele afirma ainda que a condução coercitiva de Lula foi necessária. “A autorização da busca e apreensão era adequada, necessária e imprescindível”, afirmou em seu voto. Os cinco demais desembargadores federais acompanharam a decisão.

Os advogados de Lula informaram ao G1 que vão recorrer da decisão. “A ação está assentada em excessos por ele [juiz Sergio Moro] praticados, com finalidade diversa das investigações”, diz a nota divulgada pela defesa do ex-presidente.

Os defensores reforçam ainda que as medidas tomadas por Moro tinham “o claro objetivo de impor a esses últimos constrangimento e humilhação, além de tentar fragilizar o ex-presidente”.

Fonte G1

Leia Também

Jovem esfaqueia homem para se defender de tentativa de homicídio em Porto Velho

Um jovem de 21 anos foi preso após esfaquear um homem de 34 anos com …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *