TCE/ES acaba com o sonho de ser candidato de Luciano

Ex-prefeito Luciano Pereira afirma que não está inelegível

O Tribunal de Contas do Estado (TCE/ES) acabou de jogar uma pá de cal na candidatura a deputado do ex-prefeito Luciano Pereira (Avante). O TCE/ES se posicionou pela rejeição das contas públicas do ex-prefeito de Barra de São Francisco, referentes ao ano de 2014. Na época, Luciano ultrapassou o limite de gastos com pessoal estabelecido na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Com a decisão, o ex-prefeito que pretendia concorrer a uma vaga na Assembleia Legislativa do Estado, passa a ser considerado inelegível pelos próximos oito anos, de acordo com a Lei da Ficha Limpa, de 2010.

No último ano do mandato dele, como já foi constatado pela reportagem do site Voz da Barra, a folha de pagamento chegou a atingir quase 70% do orçamento municipal. Luciano chegou a empregar quase 1,7 mil pessoas na prefeitura e, segundo pesquisas da Secretaria Municipal de Administração, isso é só a ponta do iceberg, já que existe a suspeita de pagamento de quase R$ 600 mil em horas extras a servidores comissionados, parte deles funcionários da rádio Jovem Barra FM, que pertence ao político e muitos deles funcionários.

A decisão colegiada pela rejeição das contas acontece após Luciano ser denunciado pelo Ministério Público de Contas, ainda em 2016. Na ocasião, o MPC apresentou documentos comprovando gastos acima do aceitável com a folha de pagamento dos servidores públicos de Barra de São Francisco. Enquanto a Lei de Responsabilidade Fiscal estipula o custo máximo de 54% com a folha de pagamentos, Luciano teria utilizado cerca de 65% do orçamento público para custear a máquina pública.

Além do desacordo com a LRF, outras quatro irregularidades foram apresentadas na denúncia: déficit orçamentário e financeiro, evidenciando desequilíbrio das contas públicas; abertura de créditos adicionais sem fonte suficiente de recursos; ausência de medidas legais para implementação do plano de amortização da dívida pública; e o repasse de duodécimos à Câmara Municipal, além do que permite o limite constitucional.

É a segunda vez que o ex-prefeito sofre uma derrota no pleno do TCE-ES. Anteriormente, o Tribunal já havia decidido pela não aprovação das contas, mas Luciano buscou o chamado Recurso de Revisão, onde poderia tentar amenizar a decisão. Diante do recurso, apenas o Conselheiro de Contas Sérgio Borges se mostrou favorável ao prefeito.

Com a decisão colegiada contrária à aprovação, o ex-prefeito pode ser considerado inelegível pela Justiça Eleitoral, uma vez que o impedimento é previsto na Lei da Ficha Limpa, de 2010. De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral, desde 2012 as decisões colegiadas podem tornar inelegíveis os agentes públicos sem que antes seja necessária a condenação das contas pelo poder legislativo, no caso a Câmara de Vereadores de Barra de São Francisco.

O analista Judiciário do TSE, Eilzon Almeida, explica que a intenção do legislador foi aplicar uma sanção às pessoas que exercem cargos ou funções públicas e que tiveram contas rejeitadas por irregularidades consideradas graves. “Não é por qualquer irregularidade. Em síntese, se houver uma má condução da máquina pública, eles terão suas contas rejeitadas pelos tribunais de contas ou pelas câmaras municipais, sofrendo restrição à capacidade eleitoral passiva por oito anos”, completa.

A partir de agora, a decisão do TCE-ES precisa ser publicada no Diário Oficial para que ganhe andamento. A decisão do pleno segue como recomendação para que a Câmara de Vereadores da cidade rejeite as contas do ex-prefeito.

Foi denunciado ainda pelo MPC déficit orçamentário e financeiro, créditos adicionais sem fonte suficiente de recursos, ausência de medidas legais para implementação do plano de amortização da dívida pública e repasse de duodécimo à Câmara Municipal acima da permissão constitucional.

Rejeição anterior – É a segunda vez que o TCE/ES decide pela não aprovação das contas de Luciano Pereira. Anteriormente ele interpôs o Recurso de Revisão para tentar amenizar a decisão, mas teve o recurso rejeitado, pois apenas o conselheiro Sérgio Borges foi favorável a ele.

Outro lado – Em nota, o ex-prefeito Luciano Pereira afirmou que não está inelegível conforme divulgado nas redes sociais, e que não há nenhum impedimento para que ele possa registrar sua candidatura e concorrer ao cargo de deputado estadual nas próximas eleições.

Segundo Luciano, “a inelegibilidade só ocorre após o trânsito em julgado da referida decisão, quando não mais couberem os recursos permitidos pela legislação”. Disse, ainda, que as irregularidades apontadas serão devidamente justificadas pela sua assessoria jurídica.

Para o ex-prefeito, “as notícias veiculadas são tendenciosas e levianas com o intuito de somente confundir a cabeça do eleitor, especialmente nessa reta final para o registro de candidaturas”, e finalizou dizendo que “está firme na campanha para voltar a garantir atendimento digno ao povo”. (Weber Andrade com TCES)

COMPARTILHAR